Empréstimo de ebooks em bibliotecas públicas deverá começar este ano

A requisição de livros electrónicos nas mais de 400 bibliotecas públicas de Portugal passará a ser possível já a partir de junho, através de uma plataforma online onde os utilizadores das bibliotecas da Rede Nacional de Bibliotecas Públicas [RNBP] poderão requisitar livros por um período limitado de tempo.

Este projeto da Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas (DGLAB) fará com que seja possível passar a disponibilizar às populações acesso ao livro em suporte digital, tal como acontece atualmente com os livros em papel.

Esta plataforma será igual para todas as bibliotecas da RNBP, e vai estar dividida em 23 interfaces, uma para cada rede intermunicipal de bibliotecas, o que significa que os utilizadores não vão poder requisitar um livro a partir de qualquer uma das bibliotecas, apenas poderão requisitar livros através da interface onde a sua biblioteca de inscrição esteja integrada. Os responsáveis pelo projecto estimam que em 2024 a plataforma esteja em total funcionamento.

Bruno Eiras, subdiretor-geral da DGLAB, adiantou que, numa primeira fase, a opção, em termos de catálogos das bibliotecas, será para a ficção e literatura, sendo prioridade a aposta numa coleção atualizada e atrativa para os interesses dos leitores portugueses, podendo no entanto existir outros tipos de temáticas.

Aberto concurso para a edição de ebooks e audiobooks

O anúncio de abertura desta plataforma chega poucos dias depois do anúncio de abertura de um concurso para o financiamento da produção de 4.000 ebooks e audiobooks. Abertas até ao dia 11 de fevereiro deste ano, as candidaturas ao apoio à edição de audiobooks e ebooks inserem-se no âmbito do Aviso de abertura N.º13/C04-i01/mo3 – Internacionalização, modernização e transição digital do livro e dos autores.

Integrado na componente cultura do Plano de Recuperação e Resiliência português (PRR) o concurso “visa estimular a produção de audiobooks e ebooks, no quadro de uma produção editorial de qualidade, visando o enriquecimento do património bibliográfico português”, lê-se no edital.

Podem candidatar-se estruturas com actividade editorial portuguesas ou estrangeiras, nas seguintes áreas: ficção, poesia, diarística, epistolografia, biografia, literatura de viagens, dramaturgia, ensaio, literatura para a infância e juventude, banda desenhada. Saibam mais neste link.