A arte da biografia em discussão na Gulbenkian

A Fundação Calouste Gulbenkian vai promover um encontro entre vários autores portugueses e estrangeiros que, durante dois dias, vão debater a arte da biografia, contando com a participação, entre outros, de Maria Antónia Oliveira, Richard Zenith e Ruy Castro. As sessões podem ser acompanhadas em directo no seu site.

As sessões, que terão lugar nos dias 13 e 14 de março, partem de questões que ao longo da história da literatura têm colocado a arte da biografia num lugar, pelo menos, duvidoso, tentando desmistificar algumas ideias e conceitos.

“Para ser biógrafo é preciso enredar-se em mentiras, dissimulações, hipocrisias”, escreveu Freud a Arnold Zweig em 1936, ao passo que George Orwell observou certa vez, quanto à autobiografia, que “só se pode confiar nela quando revela algo vergonhoso”.

“Estes relatos cáusticos serão justos? O que há de específico neste género literário”, baseado na palavra grega (…) que combina vida (bios) e relato (graphia)? E por que só ganhou popularidade na Europa no século XIX, dois mil anos depois de Plutarco ter escrito Vidas Paralelas, onde deu a conhecer Péricles, Alcibíades e Júlio César?”.

Estas são algumas questões que servem de ponto de partida para os debates com alguns dos principais autores deste género literário, que vão tentar esclarecer se, numa “era de best-sellers, repletos de revelações”, as “observações de Freud e Orwell são justificadas ou se as biografias são uma arte que nos define”.

No primeiro dia, a manhã será preenchida com a escritora britânica Sarah Bakewell, autora de uma biografia sobre Montaigne, e Maria Antónia Oliveira, autora de “Alexandre O’Neil, Uma Biografia Literária”.

A parte da tarde será dividida em três sessões, com o escritor angolano António Tomás, autor de “Amílcar Cabral, o Fazedor de Utopias”, o americano-português Richard Zenith, que assina “Pessoa. Uma Biografia”, e com a poetisa, romancista e ensaísta norte-americana Patricia Lockwood, autora do livro de memórias “Priestdaddy”, que não está traduzido em Portugal.

No dia seguinte, o programa abre com a escritora e crítica literária norte-americana Heather Clark, autora de “Red Comet: The Short Life and Blazing Art of Sylvia Plath”, a biografia da autora de “A campânula de vidro”.

A mesa seguinte terá como protagonista o escritor e historiador britânico Mark Lewisohn, autor de “The Beatles: All These Years”, uma monumental biografia da banda rock dos anos 1960 e do seu impacto cultural.

Após o almoço, as sessões recomeçam com Clare Mac Cumhaill e Rachael Wiseman, que escreveram o livro “Metaphysical Animals”, centrado em quatro mulheres – Elizabeth Anscombe, Iris Murdoch, Philippa Foot e Mary Midgley – que mudaram a filosofia, alcançando uma abordagem completamente nova.

A encerrar o programa, terá a palavra o biógrafo brasileiro Ruy Castro, autor das biografias da cantora e bailarina Carmen Miranda, do escritor Nelson Rodrigues, do futebolista Garrincha, bem como de uma obra que conta a história e as histórias da Bossa Nova, reconstituindo a vida boémia e cultural carioca daqueles tempos.