Categorias
MAP Oeiras

Mário de Sá-Carneiro ligado às Máquinas

“Fim”, “Epígrafe” e “Orfeu Rebelde” são os poemas de Mário de Sá-Carneiro que servem de alimento à Máquina de Ouver e Máquina Canora. A MO transforma os poemas declamados em composições tipográficas. A MC transforma os poemas em música.


Para ver, ouvir e ouver, na Casa das Máquinas, um evento da CDV (Computational Design and Visualization Lab.) do CISUC (Centro de Informática e Sistemas da Universidade de Coimbra) no MAP-Oeiras.

Casa das Máquinas – CDV@MAP
Palácio Ribamar, de 10 a 13 e das 15h às 18h30


Sinopse

Casa das Máquinas

Casa das Máquinas é um confronto de duas entidades mecânicas, numa conversa pulsante e vocal que respira a linguagem poética de Mário de Sá-Carneiro. Três poemas vanguardistas do autor, nomeadamente “Fim”, “Epígrafe” e “Orfeu Rebelde”, servem de alimento a estas duas máquinas que, com cada palavra, nutrem as suas engrenagens internas com estes estímulos futuristas que remetem naturalmente para este universo maquinal.

Intituladas Máquina de Ouver e Máquina Canora, as duas reagem de forma contrastante ao mesmo conteúdo textual, entoando odes audiovisuais que procuram fazer triunfar dimensões distintas destes poemas: a primeira, com uma extensa análise acústica de declamações para a criação de composições tipográficas que transmitem a plasticidade da voz humana; e a segunda, com foco na extracção das emoções inerentes a cada verso para a criação de composições musicais que reflectem universos emocionais. 

A interpretação de cada máquina é assim exposta em forma de diálogo ou antítese, com as duas revelando alternadamente a sua linguagem de reação à poesia, em que se redefine o imaginário poético de Sá-Carneiro sob um olhar mecânico-generativo.


Máquina de Ouver

A «Máquina de Ouver» é um sistema computacional que analisa gravações sonoras de discurso humano e cria uma representação visual para a sua expressividade, dando uso às variáveis e composição tipográficas.

Desenvolvido por João Couceiro e Castro, sob a orientação de Penousal Machado, Ana Boavida e Pedro Martins, este sistema recebe uma gravação sonora e a sua transcrição, analisa as qualidades acústicas, as variações de velocidade no discurso, as pausas e, posteriormente, faz o mapeamento entre esses valores e variáveis tipográficas como o tamanho e peso da fonte, entrelinha, entre outras.

Como parte integrante da instalação “Casa das Máquinas” tornará possível “ouver” a poesia de Mário de Sá Carneiro pela voz de Paula Couceiro.


Máquina Canora

Máquina Canora é uma instalação audiovisual que procura desvendar as emoções subjacentes à linguagem poética de Mário de Sá Carneiro. A sua dimensão sonora desenrola-se partindo de composições musicais generativas utilizando o ESSYS, sistema desenvolvido por Mariana Seiça, (Rui) Buga Lopes, Pedro Martins e F. Amílcar Cardoso, que constrói peças musicais representativas de oito emoções: alegria, antecipação, confiança, medo, raiva, repulsa, surpresa e tristeza. 

Estas emoções viajam melódica e harmonicamente por timbres de imersividade, mistério e ambiência maquinal, num constante diálogo com a tipografia que revela as palavras mais influentes. A animação tipográfica reflete sobre o sentido de cada verso numa dança linotípica de poesia quase visual, em que cada palavra estabelece uma ligação inesperada entre a máquina e o sentir. 


Notas biográficas:

Mariana Seiça

Mariana Seiça é designer e doutoranda no Programa de Doutoramento em Ciências e Tecnologias da Informação na Universidade de Coimbra, e assistente convidada no Mestrado em Design e Multimédia. A sua investigação e prática artística focam-se no uso do som como ferramenta de comunicação, incorporando o seu entusiasmo por formas musicais que viajam entre o Design de Som, Interação Humano-Computador, Sonificação e a Música Computacional.

Pedro Martins

Pedro Martins é doutorado em Engenharia Informática, Mestre em Informática e Sistemas e Licenciado em Matemática, com especialização em Computação, pela Universidade de Coimbra. Os seus principais interesses de investigação encontram-se nas áreas de Criatividade Computacional, Visão por Computador, Arte Computacional, Sonificação e Arte Sonora Digital. Actualmente, é Professor Auxiliar do Departamento de Engenharia Informática e no Colégio das Artes, ambos da Universidade de Coimbra. É também investigador do Centro de Informática e Sistemas da Universidade de Coimbra e o actual 

Coordenador da Licenciatura em Design e Multimédia.

Sérgio M. Rebelo

Sérgio M. Rebelo é designer gráfico, investigador, programador e artista multimédia. No seu processo de trabalho, ele explora o uso de processos algorítmicos no desenvolvimento de técnicas de geração, modelação e simulação para fabricar artefatos audiovisuais. Atualmente é estudante de doutoramento no Departamento de Engenharia Informática da Universidade de Coimbra e investigador no grupo de Sistemas Cognitivos e Multimédia do Centro de Informática e Sistemas da mesma universidade. Desde 2017, é assistente nos cursos de em Design e Multimédia da Universidade de Coimbra.

João Couceiro e Castro

João Couceiro e Castro, designer e co-fundador do estúdio Divisa., no seu tempo livre não resiste a revisitar a sua «Máquina de Ouver», trabalho com que obteve o seu mestrado em Design e Multimédia, atribuído pela Universidade de Coimbra. Gosta de poesia, música, jogos de computador e está sempre pronto a explorar o mundo na sua mota amarela.

Ana Boavida

Ana Boavida é designer gráfica sénior e sócia da empresa de design FBA. É também investigadora e professora na Universidade de Coimbra, com licenciatura em Belas Artes e doutoramento em Arte Contemporânea / Design de Capas de Livro. O seu trabalho tem sido repetidamente reconhecido com vários dos mais prestigiados prémios internacionais de design, e foi incluído em várias publicações internacionais de design e livros de referência de ensino de design gráfico.

Penousal Machado

Penousal Machado é Professor Associado no Departamento de Engenharia Informática da Universidade de Coimbra, coordenador do grupo Cognitive and Media Systems, fundador e diretor científico do Computacional Design and Visualization Lab. do Centro de Informática e Sistemas da Universidade de Coimbra (CISUC), e vice-director do CISUC.

Os seus Interesses de investigação incluem Inteligência Artificial, Computação Evolucionária, Criatividade Computacional, Visualização de Informação. Recebeu vários prémios científicos, dos quais se destacam os prémios de carreira, nomeadamente, prêmio de “Excelência e Mérito em Inteligência Artificial” concedido pela Associação Português de Inteligência Artificial e o “EvoStar Award for Outstanding Contributions to the Field of Evolutionary Computation”. Recentemente, o seu trabalho foi destacado no Leonardo Journal, Wired e incluído na exposição “Talk to me” do Museu de Arte Moderna, Nova Iorque (MoMA).